Espetáculo Flicts ensina para a criançada a importância de respeitar o outro

Em uma época em que preconceitos de todos os gêneros estão cada vez mais gritantes, eu acho muito importante ensinarmos nossos filhos a importância de respeitar e aceitar o outro como ele é. Não só com palavras, mas com nossos próprios exemplos.

Uma boa dica para ajudar nisso, é levar a criançada assistir o espetáculo Flicts, com direção e adaptação de Lívia Gaudencio, que estreia no Teatro Paulo Eiró, no dia 3 de março e permanece em cartaz até dia 1º de abril.

A partir do primeiro livro infantil escrito pelo cartunista Ziraldo, a montagem narra o drama de uma cor chamada Flicts, que não está presente no arco-íris, nas bandeiras e nem em nada deste mundo. Por esse motivo, o personagem é excluído e mal recebido onde quer que vá e parte em uma jornada mundo afora para descobrir o seu lugar.

Flicts é uma metáfora para as pessoas excluídas, solitárias e diferentes. A ideia da encenação é mostrar para os pequenos que o bullying e toda forma de discriminação devem ser tratados como algo nocivo e desrespeitoso, além de reforçar a noção de que cada um tem sua individualidade e subjetividade. Outro tema é a relativização do belo, a noção de que a beleza não tem um padrão pré-determinado e de que cada um deve desenvolver seu pensamento crítico sobre o que é bonito ou não.

Escrita em 1969, ano em que o homem pisou pela primeira vez na Lua, a obra de Ziraldo foi dada como presente da embaixada brasileira nos Estados Unidos ao astronauta Neil Armstrong, que, em resposta ao autor, disse: “A Lua é Flicts”. A temática do livro que encantou o viajante espacial continua atual quase 50 anos depois de seu lançamento, por isso o grupo resolveu encená-lo.

O elenco conta com a participação de Bárbara Salomé, Bianca Fernandes, Ederson Miranda, Eliot Tosta e Rai Teichimam. A montagem tem uma trilha sonora original, composta por Leo Mendonza, inspirada na sonoridade da banda inglesa The Beatles.

Já os figurinos, assinados por Paolo Suhadolnik, dialogam com as cores e formas geométricas presentes nas obras do pintor holandês Piet Mondrian. O trabalho com os atores, proposto por Gaudencio, é baseado em partituras físicas inspiradas no circo-teatro e no melodrama, utilizando vários registros de energia do corpo em cena.

 

SERVIÇO

| Teatro Paulo Eiró.  Av. Adolfo Pinheiro, 765, Santo Amaro. Zona Sul. | tel. 2365-5604. De 3/03 a 1º/04. Sáb. e dom., 16h. 60 min. R$16 (inteira) e R$8 (meia-entrada). +4 anos.

Deixe uma resposta