Estudar outro idioma na infância traz benefícios cognitivos

Pedagogos apontam que o aprendizado infantil de outra língua pode aprimorar o raciocínio lógico, a coordenação física e a inteligência emocional ao longo da vida..

Crianças que têm contato com outro idioma desde a primeira infância têm menos chances de desenvolver problemas de memória quando adultas. Além disso, o desenvolvimento infantil se torna mais rápido em áreas como a comunicação e linguagem, a coordenação física e até nos quesitos emocional, pessoal e social. Estes são benefícios apontados por pedagogos que estudam os efeitos a longo prazo do aprendizado de uma língua estrangeira desde cedo.

“Com jogos e ações interativas, as crianças passam a receber um estímulo cerebral muito grande desde cedo. Isso ajuda no desenvolvimento expressivo e até na criatividade delas”, explica César Lucchesi, diretor da Pingu’s English. “Outro ponto da alfabetização bilíngue é que ela melhora o aprendizado da língua materna e o de conteúdos de raciocínio lógico, como a matemática”, aponta.

Esse é um tipo de interação que a aprendizagem exige hoje em dia. Não adianta ter apenas aulas em salas e sem atividades lúdicas.

É importante ressaltar, porém, que esses benefícios são atingidos quando o idioma é ensinado da forma adequada, por profissionais, com metodologia especializada e que tenham alguns cuidados:

– A habilidade de aprender uma nova língua é mais aguçada entre os 2 e 5 anos de idade e, conforme os anos vão passando, essa facilidade vai se perdendo. Portanto, a primeira infância é considerada a fase da vida ideal para se aprender línguas.

– A criança aprende uma segunda língua da mesma forma que aprendeu a primeira, ou seja, de forma natural. Para isso, as aulas têm que ser lúdicas e ter um contexto compreensível.

– Para que aconteça de maneira natural, o aprendizado tem que ser envolvente, fácil e divertido. Por isso, é importante o uso de jogos, músicas, histórias e brincadeiras, recursos que criam situações reais e concretas, dentro do universo infantil, para que o aprendizado natural aconteça.

– Para ensinar Inglês, não basta ser nativo ou fluente na língua. É importante envolver e motivar a criança, de forma que ela aprenda sem perceber.

A alternativa de ensino bilíngue tem crescido no país como uma opção que facilita o aprendizado do idioma desde cedo para os alunos.

Deixe uma resposta