Adultização Infantil: crianças são crianças

Hoje (12/06) é o Dia dos Namorados e o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, por isso trouxe essa reflexão para lembrar que os filhos não podem ser vistos como adultos em miniatura.

O objetivo desse post é sensibilizar e motivar uma reflexão da sociedade sobre as consequências da adultização e do trabalho infantil. Precisamos garantir às crianças o direito de brincar, estudar e sonhar, vivências que são próprias da infância e que contribuem decisivamente para o seu desenvolvimento.

Mamãe, estou namorando meu amigo da escola, mas ele não sabe. É segredo!” Não se assuste ao ouvir essa frase. Trata-se de uma fantasia, assim como brincar de casinha ou de boneca. “É assim que os pais devem encarar, pois namorar é coisa de gente grande”, afirma a psicóloga Tereza Vecina. Segundo ela, um colega com quem a criança tenha afinidades pode ser chamado de namorado sem qualquer conotação além da de ser o amigo mais interessante.

Mesmo de brincadeira, tais comentários não devem ser estimulados em casa e na escola. Por mais engraçadinhas que possam parecer duas crianças trocando juras de amor, é bom lembrar que filhos não podem ser vistos como adultos em miniatura.
Programas de TV impróprios para a idade, como alguns filmes e novelas, podem influenciar o “namoro” antes do tempo. O ideal, nesse caso, é que os pais fiquem atentos ao conteúdo dos programas e exerçam o controle necessário.

A adultização infantil acontece de várias formas, e a mais grave é a exploração no trabalho, que acontece na sua maioria no campo e no trabalho doméstico.

Neste ano, a ONU celebra o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, com o tema: “Covid-19: Proteja as crianças do trabalho infantil, mais do que nunca”. Milhões de crianças correm o risco de serem obrigadas ao trabalho infantil devido à crise da Covid-19. A pandemia pode levar ao primeiro aumento deste indicador após 20 anos de progresso, segundo a Organização Internacional do Trabalho, OIT, e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef. Além disso, as crianças que já trabalham podem estar sujeitas a maior carga horária e condições mais perigosas. Com muito mais danos à sua saúde e segurança.

A rigor, o Brasil e todo o planeta voltam-se contra prática, que pode provocar a queda no desempenho e o abandono escolar, conduzir crianças e adolescentes a uma vida adulta limitada. Além desses efeitos, expostos ao trabalho precoce, eles enfrentam problemas como o consumo de entorpecentes, o recrutamento para o tráfico de drogas e a gravidez precoce.

Qual é o adulto que é feliz quando se reporta a sua infância só com experiências negativas?

Adultizar uma criança é uma maneira bem eficiente de destruí-la. Ajude a espalhar essa mensagem.

Deixe uma resposta