Azeite de Oliva

azeite-de-olivaAlimentação saudável não se faz com um único alimento, e o azeite de oliva ocupa lugar de destaque entre os alimentos benéficos à saúde.

Desde a gestação, eu já seguia a recomendação de ingerir o azeite nas duas principais refeições diárias (almoço e jantar). “A mulher grávida têm necessidades maiores de ácidos graxos essenciais e o azeite de oliva possui grande quantidade desta substância. Ele é um alimento rico em vitamina E e betacaroteno, é muito importante para o desenvolvimento cerebral do feto e o sistema cognitivo da criança e o consumo regular favorece o sistema ocular”, explicou a minha médica Silvia Kimura.

O meu filhinho também já conhece o azeite! Desde que ele começou a comer sopinha, coloco um fio de azeite por cima ao final do preparo. O pediatra dele que indicou, pois esta deve ser a primeira gordura a ser introduzida na alimentação do bebê, logo que começa a se alimentar, além do leite materno. Fora que ajuda o intestino a funcionar melhor (fica a dia).

Eu conversei com a nutricionista da escolinha do Pedro e ela me passou algumas informações para entendermos melhor a sua origem e importância..

É a partir da prensa de azeitonas maduras que se obtém o azeite de oliva virgem, que é tratado exclusivamente por processos físicos: lavagem, moagem, prensa fria e centrifugação. O resultado é um produto não fermentado de baixa acidez. Para receber a denominação de extra virgem a acidez deve ser menor que 1%. Aquele com acidez maior que 1% e menor que 2% é o azeite de oliva virgem fino. E o produto com acidez maior que 2% e menor que 3,3% denomina-se azeite de oliva virgem.

O processo de extração do azeite influencia na concentração de antioxidantes (substâncias que protegem o organismo contra agentes externos e no desenvolvimento de doenças, principalmente cardiovasculares e câncer). O azeite extra virgem contém uma elevada concentração de antioxidantes como a vitamina E, já o azeite refinado não.

Desde a década de 70, a baixa incidência de doenças cardíacas nas regiões banhadas pelo Mediterrâneo (Itália, Espanha, Sul da França, Grécia) chamou a atenção de pesquisadores para os principais ingredientes de sua culinária. O azeite de oliva foi identificado como um dos principais componentes da dieta Mediterrânea, representando local de destaque no Guia da Pirâmide Alimentar; separado de outras gorduras vegetais e animais.

Seu consumo está associado com a prevenção e tratamento de diversas enfermidades. A recomendação diária para a ingestão do azeite de oliva extra virgem é de 15ml (1 ½ colher sopa).

Fonte: Juliana Parra CRN 10576

Eu adoro azeite e vocês?!

Bjins!

Deixe uma resposta