BOAS HORAS DE SONO MELHORAM A FERTILIDADE


Eu gosto muito de dar dicas para quem quer engravidar, pois quero ver o sonho em ser mãe , realizado 🙂

O sono é uma das dicas ! Especialistas recomendam um adulto dormir entre sete e nove horas. Se a mulher seguir essa orientação e ainda tiver uma boa noite de sono, a sua chance de engravidar pode aumentar. “Qualidade de sono aliada a uma alimentação saudável, melhoram a fertilidade”, afirma o ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana, o Dr. Rodrigo da Rosa Filho.

Ainda segundo o Dr. Rodrigo, a melatonina, hormônio que ajuda a controlar o ciclo natural de horas de sono e de vigília, atua na formação de novos vasos sanguíneos das células foliculares do ovário, logo, aumentam a qualidade dos óvulos e as chances de gravidez.

Nos eventos reprodutivos como a formação dos folículos ovulatórios (foliculogênese), atrofia dos folículos (atresia folicular), ovulação, maturação dos óvulos e formação do corpo lúteo, há envolvimento de radicais livres. Recentes estudos têm demonstrado que a qualidade dos óvulos e dos embriões depende não só da formação genética e cromossômica, mas também do ambiente onde os óvulos se desenvolvem (fluido folicular que envolve os oócitos antes da ovulação). Assim, a melatonina, com sua ação antioxidante, é essencial e tem papel benéfico no processo reprodutivo.

Grandes quantidades de melatonina são encontradas no fluido folicular periovulatório (líquido que envolve o óvulo dentro do folículo), com concentrações maiores do que no sangue periférico. O próprio ovário parece produzir melatonina (pelas células da granulosa), mas a maior parte é absorvida da circulação sanguínea. Quanto maior o folículo, maior a concentração de melatonina.

Além de sua ação antioxidante, a melatonina também regula a função ovariana através da regulação da liberação de gonadotrofinas no eixo hipotálamo hipofisário.

Durante o processo de ovulação, grande quantidade de radicais livres é produzida. Esse excesso induz à apoptose (morte celular programada), resultando na atresia folicular (atrofia dos folículos). Níveis aumentados de melatonina diminuem a quantidade de radicais livres prevenindo essa atresia. O folículo é resgatado pela melatonina e continua seu desenvolvimento até se tornar um folículo dominante.

O balanço entre radicais livres e antioxidantes tem papel importante na maturação do óvulo (oócito) e na fertilização. A ação antioxidante da melatonina melhora a qualidade do oócito. A melatonina estimula diretamente a liberação de progesterona pelo corpo lúteo e o protege da ação de radicais livres conferindo manutenção da função lútea.

A falta de melatonina está relacionada ainda com endometriose e com a Falência Ovariana Prematura (FOP). Tem ainda papel de supressão em doenças autoimunes, proteção contra radiação e diminuição de efeitos de alguns quimioterápicos.

Em pacientes com SOP há diminuição de melatonina no fluido folicular.

Em pacientes com infertilidade, o tratamento com melatonina melhora a qualidade do oócito além de melhorar as taxas de fertilização e reduzir os danos oxidativos no fluido folicular. Entretanto, o uso de melatonina para pacientes com SOP, FOP e endometriose é limitado.

“A boa notícia é que hoje é possível manipular a melatonina e suplementar este hormônio, melhorar a qualidade do sono e aumentar a fertilidade, conclui”.

Boa sorte !

Beijinhos

 

Deixe uma resposta