Brincadeira e aprendizado andam juntos

Levar diversão para as crianças, esse é o trabalho destas mulheres que fazem das festas e do espaço Familiarte, grandes momentos de alegria e aprendizado.

São três ludo-educadoras: a Taíssa, que trabalha mais com a parte de Expressões Artísticas (como colagem), a Adriana e a Thâmile, que fazem oficina de Expressões Musicais (brincadeiras e instrumentos). Muito legal!

Eu conversei com elas para entendermos um pouco mais deste trabalho que encanta os pequenos. Então, hoje o papo é com a Thâmile e a Adriana, mas na semana que vem é a vez da Taíssa falar sobre expressões artísticas.

IMG_1700

Thâmile Vidiz, graduada em musicoterapia pela Universidade Federal de Goiás, cantora, contadora de história. Atua como artista educadora desde 2009. “O trabalho com a infância é uma prioridade que surgiu em minha vida desde muito cedo, antecedendo minha formação em Musicoterapia. Já atuei com diversas crianças – hospitalizadas, em situação de risco e vulnerabilidade social, com deficiência, com transtorno mental. A partir destas e de outras experiências, acredito que toda criança é única e está em constante processo de experimentação, imaginação, criatividade, expressividade. Em minha atuação priorizo as artes integradas como um processo vivido a partir do contato da criança com seu cotidiano, sociedade, cultura, tradição”.
Além disso, a ludo-educadora realiza uma pesquisa em Culturas e Tradições de Infância, priorizando as brincadeiras, brincadeiras cantadas e tradição oral da criança.

Atualmente ela faz parte da equipe de eventos do Familiarte e é artista educadora do Programa de Iniciação Artística – Piá, da Secretaria de Cultura e Educação de São Paulo.

– Como são os trabalhos que você realiza no Familiarte?
No Familiarte trabalho com a equipe de eventos. Os eventos são diversos e as atividades variam de acordo com cada público. É montada toda uma estrutura, que irá variar em oficinas de música, artes visuais, contação de história, fabricação de instrumentos, de figurinos, dentre outros. Todavia, mesmo com uma estrutura pensada, contamos com a nossa própria sensibilidade de perceber a criança em seu contexto, criatividade, imaginação, possibilitando que o momento da criança também seja norteador de cada atividade.
– Qual a parte que as crianças mais gostam?
É muito difícil pensar generalizado de qual parte as crianças mais gostam. O gosto irá variar de acordo com cada criança, cada faixa etária e o trabalho está em constante modificação.
– O que as crianças aprendem nas atividades?
As crianças aprendem a dar valor no processo artístico, fundamentado em sua maneira de ver o mundo e de ser parte dele.

foto43

Adriana Dutra, educadora nas áreas de Música e Artes Plásticas. Iniciou suas atividades em 1999, em ambas as áreas, como professora na Educação Infantil e Ensino Fundamental da escola regular.

– Como são os trabalhos que realizam no Familiarte?
Ministro as Oficinas de Música, envolvendo brincadeiras mais direcionadas à área, brincadeiras livres e Contação de História.

– Qual a parte que as crianças mais gostam?
As Histórias Cantadas, onde a música envolve toda a narração faz grande sucesso entre as crianças, que se envolvem de forma a transformar numa brincadeira onde elas passam a ser os protagonistas.

– O que as crianças aprendem nas atividades?
As atividades, sejam livres ou direcionadas sempre tem como pano de fundo a “música”.
Nas atividades direcionadas, elas aprendem elementos básicos como parâmetros sonoros, pulsação rítmica, canto, história dos compositores, movimento, além do contato com diferentes instrumentos levados nas oficinas.

Contatos

Para festas e eventos: (011) 3642 1706 (Familiarte)
Thâmile: (011) 95976 8429, thamile.vidiz@gmail.com
Adriana: dizzydutra@yahoo.com.br

Deixe uma resposta