Bullyng infantil

bullyngOuvi uma história esses dias que não acreditei… Uma mãe me contou que o seu filho de seis anos ‘aprontou’ na escola e ela foi chamada à diretoria. Motivo: bullyng.

O filho dela passou um papel para a sala inteira assinar dizendo que um amiguinho sofria de uma doença muito grave: feiúra. E quem concordasse com ele, deveria assinar. 🙁

Gente, como pode isso?! Se ele usasse essa inteligência para outras coisas.. Por isso, resolvi falar desse assunto…

  • O que é Bullyng?

Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas.

  • Tipos de bullying

Verbal: apelidar, insultar, gozar com alguma característica do outro; Físico: empurrar, puxar, chutar, beliscar, ou outro tipo de violência física; Emocional: ignorar, excluir, isolar, manipular, chantagear, atormentar, ameaçar, amedrontar, perseguir, intimidar, tiranizar, ridicularizar, discriminar; Bullying virtual: divulgar imagens, criar comunidades, enviar mensagens difamatórias ou ameaçadoras por e-mails, sites, blogs, redes sociais e celulares.

  • O que leva o autor do bullying a praticá-lo?

Querer ser mais popular, sentir-se poderoso e obter uma boa imagem de si mesmo.

  • Com que idade pode começar?

Entre as crianças menores, é comum que as brigas estejam relacionadas às disputas de território, de posse ou de atenção – o que não caracteriza o bullying. No entanto, há estudos na Psicologia que afirmam que, perto dos 3 anos, as crianças começam a se identificar como um indivíduo diferente do outro, sendo possível que uma criança seja alvo ou vítima de bullying.

  • Se você suspeita que o seu filho esteja sofrendo bullying na escola, preste atenção nesses sinais:

Pedir com frequência para faltar aula; Ter ânsia de vômito ou crises de choro ao se preparar para a escola; Voltar para casa com as roupas danificadas ou com roxos e arranhões; Usar caminhos  alternativos para ir ou voltar da escola; Ficar irritado ou entristecido sem motivo claro; Dificuldade para completar tarefas, falta de atenção e baixo rendimento escolar; Isolamento.

  • Assim como a criança vítima de bullying apresenta sinais, o filho agressor também apresenta comportamentos comuns, identificados pelas pesquisas, que devem despertar a atenção dos pais:

Habilidade: normalmente é habilidoso para sair de situações de constrangimento. Sente prazer em ferir ou  maltratar animais. Ignora normas e regras da sala de aula e da escola. Tem atitude de atacar para evitar ser atacado.

  • E os pais nisso tudo?

O primeiro passo se você suspeitar que a criança está sofrendo bullying é conversar com ela. Permita que a criança se abra e conte sua história para que você possa avaliar a gravidade da situação. Se você achar que a criança está em risco, o próximo passo, é conversar com os professores. Se estes não ajudarem converse com os diretores da escola. Nunca encoraje o seu filho a retaliar verbalmente ou fisicamente. Isso pode colocá-lo em risco ou criar problemas mais sérios com os agressores. Ensine os seus filhos maneiras não violentas de reagir às agressões, como ignorar, sair andando, ou  procurar ajuda de adultos responsáveis. Se nada funcionar, converse com os pais dos agressores, mas tente não culpar as crianças ou os pais pelas agressões.

Se você nunca sofreu bullying é muito possível que não entenda como ele pode ter efeitos devastadores para as crianças e adolescentes que são vítimas. Por isso, vamos ajudar nossos pequenos a lidarem com o problema  🙂

Fonte: Nova Escola

Bjins e até!

2 comentários em “Bullyng infantil

  1. Ótimo post sobre bullying!!! Espero que as famílias entenda, a importância de escutar o filho e estar em contato com a escola!!! Na maior parte das vezes a família não fica presente e deixa passar como se não fosse importante! Sendo que pode ter efeitos devastadores!

Deixe uma resposta