Comer, comer!!

Para muitas mamães essa pode ser a hora mais cansativa do dia, existem bebês ou crianças que simplesmente se recusam a comer: não abrem a boca, cospem tudo, choram, enfim, uma verdadeira guerra!! rs

No meu caso, o meu bebê sempre foi muito guloso e gorducho. Mamou até os 10 meses de duas em duas horas (um verdadeiro reloginho) e quando começou a comer papinha, estranhou um pouco e assoprava tudo na minha cara (rs), mas conforme ele foi conhecendo os novos sabores e texturas, passou a comer tudo. Já com os alimentos em pedaços, ele teve e tem um pouco mais de resistência. Não é tudo que ele gosta e cospe quando não quer ou fecha a boca e os olhos (muito engraçado).

Mas é como o pediatra do Pedro diz: não se desespere, porque isso só vai piorar as coisas, e mantenha o humor para a hora das cuspidas do seu filho 🙂

bagunça!

IMPORTANTE: nesta fase dos alimentos em pedaços, tem muitas mamães que na hora da recusa do filho, voltam a dar alimentos batidos e não imaginam a importância desta iniciação.

Segundo a Fonoaudióloga e Psicopedagoga, Valéria Werber F. Guiraldo, a mastigação exige uma dissociação de movimentos de língua, lábios e mandíbula importante para a preparação da musculatura da boca para a articulação. É a partir destes movimentos que vão se desenvolver os movimentos da fala, pois para falarmos bem também é preciso a participação dos lábios, língua e dentes. Portanto, é indispensável que a alimentação da criança seja adequada no sentido de proporcionar oportunidades para o exercício da mastigação e estimulação oral.

 

Peguei umas dicas de como fazer deste momento algo mais fácil e produtivo:

– Desligue a TV (isso desvia a atenção)

– Crie uma rotina (os horários são importantes e devem ser cumpridos)

– Tempo (destine a hora que for preciso para isso, respeite o tempo dele)

– Cadeirão (coloque junto com a família, mesmo que ele já tenha se alimentado para que sinta que comer é um grande prazer)

– Brinquedos (alguns pediatras são contras, mas um brinquedinho para o bebê que estiver iniciando não faz mal)

– Insistência (insista apenas para ter certeza que seu filho não quer mais, sem forçar, porque tem dias que ele pode querer comer menos mesmo)

– Troca de alimentos (não troque por outra coisa, se não, ele vai se acostumar com a troca, e neste caso é melhor adiantar o horário da outra refeição)

– Deixe-o comer com as mãos ou sozinho com a colher (isso o estimula a conhecer os alimentos)

A teoria é sempre boa, mas sei que nem sempre é fácil, por isso, tente colocar as ideias na prática adaptando ao comportamento do seu filho, porque você mais do que ninguém conhece ele!!

Bjins e uma ótima semana

Deixe uma resposta