Como proteger as crianças na internet

Com a recente polêmica envolvendo a personagem japonesa Momo, muitos debates foram intensificados acerca da segurança das crianças na internet. Com seus olhos arregalados, a boneca aparece em vídeos infantis no YouTube, interrompendo a exibição, com dicas sobre suicídio e passo a passo para a realização.

Os dispositivos móveis podem ser grandes aliados para o desenvolvimento infantil, desde que seu uso seja supervisionado. Pensando nisso, a PlayKids, uma das líderes globais em conteúdo educativo para as famílias, oferece algumas dicas aos pais que querem evitar que seu filhos acessem conteúdos inapropriados disponíveis no ambiente virtual.

1 – Converse

O diálogo é fundamental para que as crianças compreendam os riscos que o uso indiscriminado da internet pode oferecer. Leve em conta a idade do pequeno e busque uma abordagem que vá ao encontro da sua capacidade de compreensão.

É ideal que as crianças sintam-se seguras para contar quando algo que elas assistiram ou presenciaram ultrapassa os limites do que vocês conversaram juntos sobre o que é adequado ou não.

2 – Monitore

Nos primeiros anos de vida, os pequenos não conseguem distinguir o que é real e o que é fantasia. Portanto, tudo que é exposto às crianças pode ser compreendido por elas como realidade e por isso o monitoramento pelos pais se torna crucial, a fim de garantir que a criança só absorva o que for adequado.

3 – Estabeleça limites


A tecnologia pode estimular a independência, criatividade e autonomia, porém só é saudável com dosagem de tempo e sem excessos. Estabeleça um equilíbrio entre o online e o offline com jogos e brincadeiras que incentivem o diálogo e a socialização.


4 – Atente-se aos conteúdos considerados “infantis”

Alguns conteúdos aparentemente inofensivos disponíveis na internet podem não ser tão inofensivos assim. Frequentemente são polemizados na mídia vídeos falsos que já chegaram a fazer parte da lista de relacionados aos programas preferidos entre as crianças. Imitando até mesmo desenhos famosos, como Peppa Pig e Frozen, eles possuem materiais inapropriados para crianças, em que os personagens infantis fumam cigarros, são torturados com instrumentos de dentista e transformam pessoas em zumbis com injeções. O próprio caso da boneca Momo se configura como perigoso, principalmente por interromper vídeos infantis.

5 – Procure plataformas seguras

Os filtros de recomendação que sugerem conteúdos infantis não são suficientes. Considere ferramentas de conteúdo restrito, curado por especialistas. A PlayKids, por exemplo, oferece conteúdos cuidadosamente selecionados por uma equipe de especialistas, de acordo com cada eixo de desenvolvimento por faixa etária. Essa equipe é formada por um time multidisciplinar composto por pais, educadores, pedagogos e psicólogos, que avaliam todos os conteúdos e seu potencial de desenvolvimento antes de disponibilizar para consumo dos pequenos.

Como o Pedrinho usa a Internet?
Eu estabeleci limites, sem tirá-lo totalmente desse universo tecnológico que já faz parte da vida de todos nós.

No meu caso estabeleci o seguinte:

– O acesso ao YouTube é apenas através da TV com minha supervisão;
– No iPad do Pedro tem apenas o YouTube Kids que ele costuma ver raramente, mas qdo vê, pergunto o que está assistindo e peço pra me mostrar; 
– Os Joguinhos no computador são para a idade dele e ele joga online apenas com seus amigos;
– Existem dias e horários para o Pedro brincar com isso;
– Converso sempre com ele sobre segurança na internet;
– Tudo tem senha por aqui e o Pedrinho não tem.

Enfim, ele sabe que está sendo monitorado por mim, porque assim geramos uma confiança mútua.

E por aí , como fazem com o uso da internet ?

Deixe uma resposta