Criança também sente dor

image by pinterest

Quantas vezes vocês já disseram ou ouviram essa frase quando a criança se machuca ou reclama de dor: “vai passar, não foi nada. Vou dar um beijo que vai passar”.

Por que será que achamos que os pequenos não sentem dor, que as dores são leves? Pois, conversando com a fisioterapeuta Daniele Salvaia, ela me alertou quanto a isso, dizendo que devemos dar mais atenção ao que eles estão sentindo.

Por exemplo: É tão comum as dores das crianças aparecerem pouco antes de um momento desafiador – a volta às aulas – que se torna fácil descartá-las sem maiores investigações. Diante da dor de barriga súbita na hora de ir para a escola, os pais costumam ignorar a reclamação ou medicar a criança por conta própria. Nenhuma das atitudes é a correta.

Queixas comuns
De acordo com a pediatra Mariana Granato, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, dor de cabeça, dor abdominal e dores em membros do corpo, principalmente nas pernas, são as queixas infantis mais comuns. Se forem recorrentes, os pais devem refletir sobre a razão das manifestações, em vez de apenas tratá-las com remédios.

Para ficarmos atentas..

Dor de cabeça.
As crianças também sentem dores de cabeça. Aproximadamente 10 por cento das crianças que vão à creche ou jardim de infância, e 50 por cento dos que vão ao curso primário, sofrem, ou já sofreram de enxaqueca, dores de cabeça repetidas, acompanhadas de outros sintomas. Quando uma criança reclama de dor de cabeça, devemos escutá-la e dar-lhe atenção. Pode ser que sua dor esteja relacionada com problemas físicos ou emocionais, ou com algum sintoma grave.

Dor nas pernas
Muitas crianças reclamam de dor nas pernas, principalmente a noite e logo as pessoas dizem: ‘é a dor do crescimento’. Mas se a dor se tornar freqüente, é preciso procurar especialista. Pode ser problemas articulares reumáticos e ósseos.

Como saber se uma dor é de verdade?
Na maioria das vezes, uma dor de cabeça realmente irá passar sozinha. Mas nenhum pai quer que o filho sofra com frequência. Como correr para o vidro de remédio não é a solução, conhecer bem a criança e aprender a graduar o nível de desconforto dela é o ideal. Se a criança acorda de madrugada reclamando, é sinal de que o problema não é tão passageiro e está atrapalhando.

Resumindo, “A dor pode ser um sinal de que algo não está indo bem na vida da criança”
Bjins e olhos atentos!

Deixe uma resposta