Cuidado com a pipoca: o que fazer nos casos de engasgo da criança

Nas últimas semanas vimos algumas notícias de bebês e crianças que se engasgaram por diferentes motivos.  Você sabe o que fazer nessa situação? Quais alimentos são mais fáceis de provocar o engasgo?

Muito se fala sobre o perigo de deixar objetos pequenos ao alcance das crianças, que podem levá-los à boca e engoli-los. Muitas vezes, porém, a ameaça pode estar à mesa. 


A partir do sexto mês, a criança passa a consumir outros alimentos, além do leite materno. Para a pediatra Patricia Rezende, do grupo Prontobaby, é aí daí que vem o perigo: 


“Quando pequenos, o calibre da via aérea é mais estreito, o que favorece o engasgo. Além disso, até os dois anos, as crianças não têm os pré-molares e não conseguem mastigar direito, o que também propicia os engasgos”. 
Se isso acontecer com o seu filho, você sabe como agir? A pediatra esclarece as principais dúvidas a seguir. Confira: 

Qual os alimentos que mais provocam engasgados? 

Pipoca, balas e oleaginosas em geral, mas o amendoim é o campeão. Uva, tomate cereja, carnes cortadas em pedaços grandes e líquidos, inclusive o leite materno, também provocam o problema. 

Existe uma idade em que a criança costuma engasgar com mais frequência? Por quê? 

Devido ao calibre da via aérea ser mais estreito, até os cinco anos é muito comum a criança se engasgar. Mas os pais devem ficar atentos, principalmente, com crianças com menos de dois anos de idade, devido à falta dos pré-molares, que impossibilitam a mastigação de forma correta. Os alimentos podem tapar a glote, impedindo a passagem de ar. 

A Academia Americana de Pediatria recomenda não oferecer balas nem nenhum tipo de alimento de mascar para menores de 5 anos. Por quê? 

Em primeiro lugar, é preciso ficar alerta ao açúcar, já que não é recomendado o consumo por crianças com menos de dois anos. Além disso, balas ou alimentos de mascar oferecem risco de engasgo e, consequentemente, de impedir a passagem de ar pela glote. 

Quais alimentos devem sempre ser cortados ao meio ou em mais partes para evitar que as crianças engasguem? 

Tomate cereja e uva são os principais exemplos. A pipoca, você pode tirar as casquinhas antes de oferecer à criança ou, pra ter menos trabalho, fazer pipoca de sagu, mais recomendada. 

Por que é menos perigoso quando a criança engasga com líquido? 

Porque algumas medidas mais brandas podem ser tomadas. Às vezes, só com a mudança de posição da criança você já consegue contornar o problema. Mas também temos relatos de bebês que engasgam com o leite materno e pararam de respirar, por isso é importante ficar sempre alerta. 

O que o devemos fazer se a criança engasgar? Existe alguma medida a se fazer em casa? 

No engasgo parcial, a criança consegue falar e respirar. Aí os pais podem estimulá-la a tossir para tentar expelir pela via aérea. Se a criança tiver menos de um ano, é preciso deitá-la sobre o braço, com a cabeça um pouco mais baixa que o tronco, e dar cinco palmadas com a base da mão nas costas. Se ainda assim não for suficiente, deve-se virar a criança de frente, ainda sobre o braço, e efetuar compressões com os dedos médio e anular sobre o tórax, na região entre os mamilos. Para as que tem mais de um ano, posicione a criança em pé, com o tronco curvado para frente; com sua mão em concha, bata no meio das costas até que ela venha a expelir o objeto. Se isso não ocorrer, utilize a técnica da compressão abdominal. 

Quais os sinais que a criança apresenta quando engasga? 

A respiração pode ficar rápida e a criança parecer ofegante. Além disso, ela pode não conseguir respirar, apresentando lábios azulados e palidez ou vermelhidão na face. Pode também ter ausência de movimentos respiratórios ou emitir sons incomuns ao respirar. 

Quais são as dicas para prevenir o engasgo? 

As proteínas, no caso as carnes, devem ser moídas ou bem desfiadas, progredindo de tamanho dos pedaços aos poucos. Também é preciso tomar cuidado quando são várias crianças de idades diferentes comendo juntas, para que as menores não peguem alimentos dos pratos dos maiores. E, nas festas, cuidado com a pipoca para menores de cinco anos. 

Deixe uma resposta