Cuidar da saúde mental de pais de recém-nascido é essencial na pandemia

Pediatra dá dicas de como lidar com o bebê recém-nascido em tempos de isolamento social 

A necessidade de isolamento social mudou a dinâmica das famílias em todo o mundo e também trouxe alterações expressivas em um momento singular da vida de qualquer pessoa: o nascimento do filho. 

Antes da pandemia, a chegada do bebê era acompanhada e celebrada por amigos e familiares que lotavam a maternidade. Os pais, orgulhosos, recebiam visitas e presentes no ambiente hospitalar e, depois, em casa. 

Com a necessidade de quarentena, tudo isso mudou e, segundo a médica pediatra Dra. Francielle Tosatti, da Sociedade Brasileira de Pediatria e especialista em emergências pediátricas pelo Instituto Israelita Albert Einstein, esse isolamento forçado é até protetivo para o bebê, uma vez que fica menos exposto a variados patógenos, como o vírus influenza e o bacilo da coqueluche. 

“Temos que lembrar que o bebê acabou de nascer e ainda não tem a imunidade bem formada. Dessa forma, qualquer pessoa que for visitá-lo, mesmo que próxima da família, deve cumprir a etiqueta de visita do recém-nascido”, diz a pediatra. 

Essa etiqueta é composta por alguns comportamentos simples, como: 

– Perguntar se os pais estão recebendo visitas e nunca chegar de surpresa; 

– Ser breve; 

– Ir direto de casa, sem pausas pelo caminho para reduzir as chances de contaminação nas roupas; 

– Reforçar a higienização das mãos; 

– Manter o distanciamento social e o uso de máscara; 

– Evitar pegar o bebê; 

– Jamais beijar o bebê, mesmo que nas mãos, pés ou cabeça; 

– Adiar a visita se estiver doente. 

Dra. Francielle lembra ainda que a saúde menal dos pais também demanda atenção especial nesta época. “Compartilhem seus sentimentos, sejam eles de angústia, alegria ou tristeza, com amigos, um com o outro, escrevendo etc. É preciso estar bem para passar bem-estar ao bebê”, recomenda. 

A rede de apoio também precisou de adaptações neste período, mas não precisa deixar de existir. A pediatra lembra que mesmo sem a presença física, os avós podem acolher, ensinar, acalmar e acompanhar o desenvolvimento do bebê à distância, por meio de chamadas de vídeo. 

“Às vezes, precisamos ter um olhar positivo para o momento passageiro. Abuse da tecnologia para tornar sua rotina mais fácil, seja por ligações de vídeo ou pedidos por delivery. Cada família deve ter consciência e viabilizar a sua ‘bolha’, assumindo cuidados um pelo outro e minimizando os encontros pessoais ao máximo”, conclui a médica. 

Dra. Francielle Tosatti 

Deixe uma resposta