Desenvolver as habilidades socioemocionais desde a infância nunca foi tão importante

Cuidar emocionalmente dos nossos alunos faz toda a diferença: seja para o futuro deles, seja para a sua aprendizagem. A prova disso foram as grandes modificações que vivemos durante o ano de 2020, o que incluiu a educação e seu processo de ensino-aprendizagem desde a Educação Infantil até o Ensino Superior. 


O isolamento social fez com que crianças e adolescentes precisassem lidar com os sentimentos que surgiram durante esse período, como, por exemplo, o estresse e a ansiedade. Nesse contexto, as competências sociais foram postas à prova. 

Quando falo em mudanças no processo de ensino-aprendizagem, refiro-me a transformações e adaptações que o ensino vem sofrendo ao longo dos anos, mas que foram potencializadas durante a pandemia. 

Educar uma criança nunca foi uma tarefa fácil. Conforme crescem, apresentam novas demandas e, em todas as fases, se deparam com adversidades e descobertas exigindo que professores, pais e responsáveis se reinventem também a todo momento. 

Sabemos que o mundo escolar está muito focado nas habilidades cognitivas e em componentes curriculares tais como Português, Matemática, História e Geografia, entretanto precisamos ressaltar também a importância das habilidades socioemocionais que, inclusive, completam as cognitivas e vêm ganhando cada vez mais espaço nas discussões educacionais. 

Essas habilidades se desdobram em atitudes, valores e comportamentos que podem ser aprendidos e experimentados na relação com o outro e com o espaço, na escola, na comunidade a que pertencemos e em nossas famílias. 

As habilidades socioemocionais preparam os alunos para enfrentar os desafios da vida, por meio de um olhar mais empático e do autoconhecimento. Assim, o ato de se autoconhecer torna-se de extrema importância, pois, a partir dele, é mais fácil reconhecer o outro. 
Essas competências são utilizadas cotidianamente nas diversas situações da vida e integram o processo de cada um para aprender a conhecer, conviver, trabalhar e ser. Ou seja, são parte da formação integral e do desenvolvimento do ser humano. São habilidades que podemos aprender, praticar e ensinar. 

Mariana Godoi de Lima, analista de Projetos na Tecnologia Educacional.

Deixe uma resposta