Dicas para uma volta às aulas diferente

Com o cenário da pandemia, organização e diversão são essenciais para o processo de aprendizagem

Não é segredo que a pandemia impactou o nosso modo de viver. Até momentos mais rotineiros, como a volta às aulas, se tornaram um desafio diante do novo cenário. Pensando nisso, trouxe algumas dicas da coordenadora pedagógica e colaboradora no Laboratório de Psicologia Genética da Unicamp, Denise Ferreira, para auxiliar os pais e estudantes na retomada às aulas. 

Se antes já não era fácil manter as crianças menores focadas, imagina agora em que o ambiente escolar, home office e o lar se tornaram um só? Mas com organização e apoio da família é possível ter um local confortável para qualquer atividade. A Prof.ª Denise Ferreira explica que “além de conter a ansiedade das crianças, é preciso lidar com os pais que também trabalham em casa e muitas vezes não sabem como dar o auxílio necessário aos filhos”. É aí que entra o apoio do professor junto às técnicas e metodologias de organização para encontrar o equilíbrio no ambiente. “Não só os pais passaram a ter um papel mais direto na educação dos filhos, como também passaram a compreender melhor a importância que o professor tem dentro da rotina da criança”, completa a educadora. 

Segundo a gerente de produtos da divisão de Papelaria da 3M do Brasil, Caroline Aguiar Moraes, não só a maneira de educar mudou, como também a forma de consumir. “Antes da pandemia, a hora de comprar os materiais escolares era um momento de empolgação para as crianças, no qual elas podiam se divertir durante a escolha dos materiais”. Hoje, muitas compras são feitas online, já que muitos comércios seguem fechados, o que torna ainda mais desafiador para os pais fazerem com que as crianças “sintam” a volta às aulas. “De toda forma, a situação nos abre espaço para estimular a imaginação. É importante pensar em formas criativas para engajar e educar ao mesmo tempo”, completa a executiva. 

1 – Diversão também é educação

Para a Profª Denise, a diversão e educação são aliadas preciosas, principalmente no processo com os pequenos. Segundo ela, “encontrar maneiras de engajar as crianças é importante, principalmente considerando que em casa as crianças perdem o foco com mais facilidade”. 

O objetivo é fazer com que a criança se torne parte do processo da aprendizagem, tornando-se a protagonista na construção de atividades junto com o professor ou os pais. Caroline explica que com os itens corretos é possível criar esses momentos de diversão e engajamento. “A linha de produtos da marca Post-it® tem potencial para gerar engajamento. A variedade de cores dos blocos abre espaço para a criança trabalhar a criatividade. Com as notas adesivas da marca, é possível elaborar várias tarefas interativas como jogo da memória, caça palavras e jogos de matemática, por exemplo”. 

2 – Organização para um melhor aproveitamento

O local de trabalho, estudo, diversão e de exercício, virou um só: o nosso lar. A casa se tornou um espaço comum e com a convivência intensificada é necessário entender o lugar de cada um da família. Segundo Denise, com organização é possível fazer esse gerenciamento, “as metodologias ágeis de gestão, como Kanban e Scrum, utilizadas no mundo dos negócios, também podem ser adaptadas para a organização da rotina”. Em um calendário, por exemplo, é possível fazer a gestão de tarefas utilizando as diversas cores dos blocos adesivos. A professora explica que quando trabalhamos com o visual, a chance de absorvemos melhor as informações, é ainda maior. 

Caroline também fala da importância da organização para conciliar o home office dos pais com os estudos dos filhos, além da rotina. “Uma divisão das tarefas por horário pode ajudar os pais com as demandas do dia a dia. Por isso, além de dividir as reuniões do dia, é importante definir em um calendário o horário do café da manhã, almoço, e até mesmo do banho para as crianças menores.” 

3 – Planejamento para professores

As dicas não são apenas para pais e filhos, mas também valem para os educadores. De acordo com a professora, “o desafio também foi grande para os professores”. No cenário virtual é ainda mais difícil engajar as crianças, por isso, o pedagogo precisa ser mais criativo e planejar suas aulas. A orientação da educadora é iniciar a aula com o tema mais difícil, como escrita ou matemática, já que o tempo de foco das crianças é muito menor do que em adultos. 

Além da organização do dia, trazer novidades e novas formas de ensino é essencial. “Uma das opções é a gamificação, que consiste em utilizar dinâmicas de jogos para educar, tornando as aulas mais divertidas e produtivas”, explica a Profª Denise. 

Deixe uma resposta