Estímulo ao brincar ativo e alimentação mais saudável

Especialistas de diferentes áreas debateram os desafios e dicas para auxiliar na promoção de hábitos mais saudáveis para as famílias 

A Fundação Nestlé realizou o evento online “Nestlé&Vc por Crianças mais Saudáveis”, em que reuniu especialistas de diferentes áreas ligadas ao universo infantil para debater desafios, dicas e sugestões para contribuir para promover hábitos mais saudáveis para as famílias brasileiras.

Os convidados abordaram, com a curadoria da Imi Lab, questões que vão desde a alimentação até o brincar saudável e os desafios da parentalidade. Participaram da conversa nomes como a nutricionista infantil Dra. Elaine Pádua, a autora Roberta Ferec, que escreveu o livro ‘Tela com Cautela’ e o pai influencer Beto Lima, além de professores do ensino público brasileiro. 

O desafio da alimentação saudável 

Para debater o tema da alimentação infantil, o evento contou com um bate-papo entre a nutricionista infantil Dra. Elaine Pádua e o pai influencer Beto Lima, conduzido por Juliana Oliveira, nutricionista da Nestlé e responsável pelo Programa Crianças mais Saudáveis, em que eles falaram sobre os desafios de fazer com que as crianças se alimentem bem e tenham uma boa relação com o momento das refeições. 

“É muito difícil dizer sobre o que deve ser feito, já que cada criança e cada contexto familiar é único. Mas acredito muito que é preciso ouvir e buscar entender mais as crianças e suas vontades. O caminho, para mim, é se preocupar menos com as regras e imposições para desenvolver um ambiente saudável que estabeleça relações de escuta e que contemple os desejos e gostos dos filhos”, afirmou Beto Lima. 

A nutricionista Elaine Pádua trouxe algumas dicas para facilitar esse contexto de criação de um ambiente saudável, em que a alimentação seja mais acessível e simples para a criança. “O melhor caminho é colocar a criança em ação. Escrever junto com ela em uma folha, por exemplo, tudo que ela gosta ou quer comer, além de envolvê-la no preparo dos alimentos. Quando há algo que ela já gosta no prato, fica mais fácil introduzir e mesclar isso com a experimentação de novas opções”, ressaltou. 

Outro ponto importante destacado no debate foi a importância das refeições feitas em família, que estimulam a criança a interagir com a comida em um ambiente de troca e com a companhia dos pais. “É importante trazer união para mesa e aproveitar o momento do alimento para criar vínculos”, afirma Elaine. 

Algumas dicas sobre alimentação foram tentar deixar as refeições o mais simples possível, além de iniciativas como plantar uma hortinha em casa junto com a família e estimular o brincar e experimentar os alimentos e frutas mantendo, por exemplo, uma fruteira acessível. 

Brincar e se encantar 

Em outra frente de debate, as especialistas Roberta Ferec, autora do livro “Tela com Cautela”, a psicóloga cognitiva Marina Pinheiro e a criadora da plataforma Tempo Junto, Patrícia Marinho, conversaram sobre a importância do brincar, do se movimentar e realizar atividades lúdicas para uma infância saudável. 

Roberta Ferec abriu o debate falando sobre a necessidade de não ver só o lado negativo das telas, mas de aprender a lidar com elas e usar seu lado positivo. “Nós adultos que tivemos uma infância analógica, temos agora o desafio de guiar as crianças nesse mundo tecnológico. É uma missão muito difícil e não temos um ‘manual’. O desafio é tentar preservar aquilo que é essencial para a saúde da criança, que são as chamadas atividades positivas, como sono, tempo junto, tempo das refeições, tempo do tédio. Não podemos deixar a tela roubar esse tempo das atividades fora do digital”, afirmou. 

Já Marina Pinheiro ressaltou a importância do brincar para o estímulo à criatividade, ao sonhar e à formação da criança. “Brincar é encantar e, às vezes, a aspereza da vida acaba tolhendo isso. São muitas infâncias diferentes no Brasil, mas não podemos roubar o tempo dessas crianças se encantarem”, disse. 

Para Patrícia Marinho, um caminho para os pais, principalmente aqueles que não têm muito tempo disponível, é “ser brincante” e buscar inserir a brincadeira nas atividades cotidianas. “É apostar uma corrida para a criança ir para o banho, por exemplo. Temos que entender que o ‘trabalho’ da criança é brincar e deixar tempo livre para que ela se divirta”, conta. 

Essa parte foi encerrada com uma apresentação da artista Juliana Nascimento, que resgata artes das crianças, como desenhos e colagens, e as ressignifica e eterniza em novas obras a partir da técnica mista. 

Ação social 

Durante o evento, também foram anunciadas iniciativas para estender o impacto social positivo do Programa Crianças mais Saudáveis para mais brasileiros. Uma das frentes é levar o legado da marca para a comunidade Calmon Viana, em Poá, com um projeto inédito junto da ONG Social Skate e Pé de Feijão. O objetivo é construir uma horta comunitária no local em parceria com a ONG Social Skate de Sandro Testinha, além de capacitar os moradores para cuidarem do espaço. 

A comunidade de Calmon Viana em Poá foi uma das mais afetadas com a pandemia, com um grande índice de fome entre os moradores. A iniciativa capitaneada pela Nestlé tem como objetivo ensiná-los a cuidar da horta, dando todo o subsídio necessário durante 5 meses para que tenham alimento e as famílias possam fazer mais de uma refeição saudável por dia. 

Deixe um comentário