Expectativas em ter uma família feliz

A vida é repleta de encontros, desencontros, reencontros e ninguém tem um controle remoto na mão para decidir no que dar Play ou Stop instantaneamente

Quando eu era adolescente tinha um futuro programado em minha mente: ter uma família aos 25 anos com marido e dois filhos. Mas quando isso não aconteceu, fiz uma descoberta que ninguém havia me contado: nada está sob nosso controle.

Os sonhos fogem das nossas mãos, e muitas vezes tem a ver com o tipo de escolhas que fazemos no decorrer da nossa jornada. Achamos que tal cara será o par perfeito para constituir uma família, e de repente tudo desmorona, não é mesmo? Passei por isso algumas vezes. Triste, mas faz você perceber que está repetindo um padrão (não descobri isso sozinha, tive ajuda da minha ex-terapeuta, rs).

Eu buscava por um cara estilo “pai protetor e presente”, o que tem a ver com a ausência do meu pai na minha infância e adolescência por viver trabalhando para sustentar uma família de seis pessoas. Não, não o julgo nem o culpo pela ausência, mas inconscientemente busquei muito isso em meus relacionamentos.

E vocês? O que buscam em um relacionamento? Acho que a maioria busca a ideia falsa de ter uma família feliz o tempo todo. Bom, essa vida não existe e hoje acredito fielmente que enxergar isso desde cedo faz uma diferença danada em nossas vidas e escolhas.

Quantos casais se separam hoje em dia? Quantas mulheres não conseguem ter filhos? Quantas mulheres e homens nem se quer chegam a ter um relacionamento sério?

Durante a pandemia essa ideia de relacionamento feliz mudou drasticamente. O confinamento e o medo de ter filho em meio a uma pandemia influenciou bastante para que a convivência no mesmo teto se tornasse difícil.

Uma pesquisa realizada em abril de 2020 pela organização britânica Relate revelou que, para quase um quarto dos entrevistados, o confinamento colocou pressão adicional em seus relacionamentos. Uma proporção semelhante achou seu parceiro mais irritante — as mulheres mais frequentemente do que os homens.

Se relacionar não é fácil, seja com seu parceiro (a), filhos (as), parentes, colegas de trabalho, amigos, enfim, aprendemos mais disso com a chegada da Pandemia, onde tudo ficou mais virtual, transformando relações em algo artificial e á distância, ou, próxima de mais (hahaha).

Por experiência própria de quem está morando com os pais e o filho no interior de São Paulo há três anos: nós precisamos refletir muito sobre a nossa forma de lidar com as pessoas.

Conhecer a sua própria escuridão é o melhor método para lidar com a escuridão dos outros” Carl Jung.

Quanto mais nos entendemos profundamente, conhecemos melhor o que precisamos, o que queremos e o que não queremos para o nosso futuro, por isso, antes de sair por aí desejando uma família perfeita e feliz, busque a paz e alegria de conviver consigo e com os outros.

Os dias em família podem ser mais felizes e agradáveis, sem a perfeição ilusória, mas com muito carinho e amor em volta de uma mesa sem a famosa margarina.

Sejamos plenos, inteiros e abertos para viver dias de sol e de chuva.

Tenho escrito pouco por aqui sobre as minhas experiências como mãe, mulher solteira e vivendo com os meus pais novamente rs, mas pretendo fazer mais isso, assim quem sabe eu ajudo vocês um pouco mais. O meu objetivo é termos uma vida com mais equilíbrio e dias melhores com quem amamos.

Vem comigo? Beijinhos e fiquem bem! Monica

Deixe uma resposta