MENOS SÓDIO

Sal_baixa160414_161001

Eu virei a louca dos rótulos depois que começaram os alertas sobre o sódio. Os brasileiros costumam consumir uma quantidade de sódio maior que a recomendada, por isso, passei a checar e comparar os produtos antes de comprar. A água de cocô em caixinha é um deles. Vocês já repararam a diferença de uma marca para a outra? É absurda.

Por isso, antes de colocar na lancheira do Pedrinho, verifico tudo kkk

Não sou exagerada não, viu?! O sódio é um dos responsáveis pelo aumento da pressão arterial das crianças. Apesar de ser um mineral essencial para o organismo, em excesso, pode trazer ainda outros problemas, como os cardiovasculares, colesterol alto, diabetes tipo 2 e obesidade.

A indústria alimentícia tem desenvolvido linhas de produtos com quantidade reduzida de sódio”, explica a nutricionista Márcia Gowdak, diretora do Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) e nutricionista responsável pelo Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). Gowdak acrescenta: “algumas atitudes simples no dia a dia contribuem para reduzir o consumo elevado de sódio. O conhecimento da presença natural de sódio em alguns alimentos e a prática da leitura dos rótulos ajudam a controlar a quantidade ingerida”.

É obrigatório constar nos rótulos dos alimentos a quantidade de sódio presente no produto ou na porção especificada. Para os alimentos que serão utilizados como ingredientes em preparações, como caldos e temperos, é preciso considerar que será diluído, e a quantidade consumida será menor. Portanto, é preciso calcular a quantidade presente apenas na quantidade que você vai ingerir. Se estas recomendações não forem seguidas, o produto final será alterado no sabor e no teor de sódio.

Para nos ajudar a diminuir a quantidade de sal consumida, a nutricionista esclarece alguns mitos e verdades. Confira!

 

Sal e sódio são a mesma coisa
Mito – O sódio é apenas um dos componentes do sal de cozinha. No entanto, a maior fonte de sódio na alimentação é o cloreto de sódio, mais conhecido como sal de cozinha. O sódio contido no sal corresponde a cerca de 40% da sua composição. Além disso, o sódio está presente naturalmente em diversos alimentos.

O consumo excessivo de sal e sódio pode ajudar a desencadear doenças
Verdade – O consumo exagerado de sódio aumenta o risco de doenças cardiovasculares, tais como hipertensão arterial e suas complicações, incluindo o AVC (Acidente Vascular Cerebral). Além disso, pessoas com problemas renais ou cardíacos já estabelecidos podem sofrer agravamento do seu quadro com o consumo excessivo de sal.

Devo cortar o sódio do meu cardápio
Mito – É importante consumir sódio diariamente, pois a sua falta no organismo pode provocar sintomas como fraqueza, apatia, cefaleia, hipotensão, taquicardia e alucinações. Porém, é importante considerar que o sódio está presente naturalmente nos alimentos e que devemos reduzir a quantidade de sal, conforme a recomendação de seu médico ou nutricionista.

Normalmente, as pessoas consomem uma quantidade muito maior de sódio do que a recomendada
Verdade – A Organização Mundial da Saúde (OMS) e Sociedade Brasileira de Hipertensão recomendam o consumo de 5g de sal (aproximadamente 2g de sódio) por dia. No entanto, o consumo médio no Brasil varia entre 9 e 12g por dia, de acordo com a Sociedade Brasileira de Nutrição (SBAN).

Muitos temperos dispensam o uso de mais sal
Verdade – Temperar alimentos com ervas, cebola, alho, caldos em cubo e tempero em pó, por exemplo, dispensam o uso de mais sal, pois já conferem sabor à comida.

Tirar o saleiro da mesa ajuda a diminuir o consumo diário de sódio
Verdade – Algumas atitudes simples, como tirar o saleiro da mesa, ajudam a evitar o excesso de sal. O acréscimo de sal durante e depois da preparação corresponde a cerca de ¼ do sal da comida, de acordo com a Sociedade Brasileira de Nutrição (SBAN).

Doces não contêm sódio
Mito – Praticamente todos os alimentos possuem alguma quantidade de sódio. É importante considerar que das 5g de sal recomendadas diariamente para o consumo, cerca de 2g de sal estão naturalmente presentes nos alimentos e os 3g restantes devem ser consumidos por meio do sal que adicionamos em nossas refeições.

Os vilões

Seu filho adora bolacha recheada, salgadinhos, refrigerantes? Atenção! Esses são apenas alguns dos alimentos com grande concentração do mineral, que tem o papel de realçar o sabor e conservar os produtos. Por conta disso, o consumo dessas guloseimas deve ser moderado pelos pais, em especial para dois dos campeões em sódio: macarrão instantâneo, cujo tempero traz até 50% da necessidade diária do organismo, e lanches de fast-food (que podem conter até 80% do consumo recomendado).

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 2g de sódio por dia para crianças maiores de 2 anos. Para as menores, não há uma orientação específica, porém, vale reforçar que a papinha do seu filho não precisa ser temperada com sal (se quiser, apenas uma pitada), já que os alimentos que os bebês consomem têm a quantidade necessária de sódio para eles. Opte pelas ervas aromáticas, que, além de saudáveis, proporcionam um sabor delicioso à comida das crianças.

Vamos ficar atentas aos rótulos sempre !
Beijinhos e uma semana saudável..

Deixe uma resposta