Minicraque

O sonho de se tornar um grande jogador surge logo cedo, muitas vezes ainda na primeira infância. Geralmente, os brasileirinhos são estimulados dentro de casa pelos pais e avós. Os pequenos ganham camisetas de times muitas vezes antes de virem ao mundo. Quando bebês os papais corujas já começam a incentivar os pequenos para que torçam pelo seu clube preferido. Logo começam a acompanhar aos jogos pela televisão e são levados aos estádios com pouca idade.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) até o ano de 2010 eram cerca de 29 milhões de crianças com até nove anos. O número equivale a muitas novas promessas de grandes goleiros, atacantes e zagueiros.

De acordo com o fisioterapeuta Giuliano Martins, diretor regional da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRColuna), proprietário do ITC Vertebral Ribeirão e ITC Vertebral Curitiba e perito judicial do trabalho, não existe uma idade correta para começar a jogar futebol. “Se o objetivo é ser um atleta de elite, a criança deve iniciar a prática, mesmo que de forma lúdica, ainda nos primeiros passos. Mas é importante respeitar os limites. Ela também tem que gostar do que está fazendo”, destaca.

Para o especialista, os pais precisam estar atentos aos edemas, às contusões ou aos traumas. “Geralmente os acidentes (mais comuns na idade adulta) como lesões de menisco, ligamento, estiramento e contraturas musculares – que ocorre quando o músculo é contraído de maneira incorreta e não volta ao estado normal de relaxamento, se desenvolvem no momento da atuação constante no esporte, de duas a três vezes por semana, sem a preparação devida”, afirma.

Giuliano Martins explica ser imprescindível o acompanhamento médico e fisioterapêutico quando os menores demonstram o interesse em se tornarem profissionais no esporte.

Futebol como brincadeira de criança também requer atenção em relação ao surgimento de lesões na coluna vertebral.

O Pedrinho jogando futebol de brincadeira, ainda com dois anos, pisou na bola e caiu de costas batendo a cabeça, perdendo os sentidos, mas graças á Deus, não aconteceu nada grave, mas isso prova que todo cuidado é pouco. Hoje, ele faz futebol na escola e já sabe chutar melhor 🙂

Um ótimo jogo para o nosso Brasil!!!
*Bjins*

Deixe uma resposta