Não fui eu!

image

Ontem falamos do mundo da fantasia e por coincidência recebi o informativo do Baby Center falando justamente desta fase (o meu filhinho acaba de fazer 2 anos e 8 meses).

Espia só..

A linha que separa realidade da fantasia é ainda pouco definida na cabeça de uma criança desta idade, daí o fato de algumas começarem a mentir. O objetivo não é enganar ninguém, mas simplesmente dizer aquilo que parece que vai agradar aos pais.

Irritação não adianta, nem esperar confissões. Se seu filho disser que não foi ele quem tirou todos os potes do armário da cozinha, o melhor a fazer é pegá-lo pela mão, ajudá-lo a guardar tudo e explicar que se eles ficarem sujos não haverá lugar para guardar a comida. É importante que ele não se assuste com suas reações, pois pode passar a temer contar a verdade.

E não é que o Pedrinho anda fantasiando algumas coisas e até ‘mentindo’ para fugir da bronca da bagunça ?! (Muito engraçado).

Uma das maiores especialistas sobre a capacidade de crianças para mentir é a doutora Victoria Talwar, da Universidade McGill, em Montreal. Nos vários estudos de Talwar e de outros pesquisadores que usaram esse teste, descobriu-se que as crianças começam a mentir por volta dos 2 anos, quando 20% delas mentem no teste. Aos 3 anos, são 40%. Aos 4, 80%. Mais tarde, são todas. Outros estudos observando crianças em casa descobriram que as de 4 anos mentiam uma vez a cada duas horas. E as de 6 anos, uma a cada hora – em geral para esconder alguma coisa que não deveriam ter feito.

Tudo isso significa que crianças são terríveis seres amorais? Não. Elas aprendem, sim, que mentir “é feio”. Só que isso muda conforme a idade.

A conclusão da pesquisa da doutora foi de que a mentira na infância não era uma falha moral, mas sinal de que a criança atingiu um novo patamar cognitivo. Mentir bem não é nada mais que saber pensar.

Bjins e um dia sem mentiras rs

Fonte: Superinteressante, Baby Center

Deixe uma resposta