Novidades para as gravidinhas: Gestar Fleury

Eu participei do almoço de Dia das Mães do Fleury Medicina e Saúde, no Restaurante Maní Manioca para um bate-papo descontraído sobre gestação com o Dr. Mário Burlacchini e a Dra. Luciana Longo: “As tendências da Medicina Fetal para o bem-estar da mamãe e do bebê”.

Conteúdo muito bacana que lembra as mamães sobre importantes exames, e a novidade de um espaço especial dedicado ás gestantes em algumas unidades do Fleury, o espaço Gestar.

A ideia é concentrar, no mesmo local e de maneira integrada, todos os exames diagnósticos implicados no acompanhamento pré-natal da gestante. Dessa maneira, boa parte dos resultados dos testes é liberada em tempo reduzido para agilizar as decisões do obstetra, sempre com o suporte dos assessores médicos de Medicina Fetal.

Um dos destaques é a rapidez nos resultados de exames, que são liberados em até 30 minutos, somente nas unidades que possuem o serviço Gestar Fleury e mediante liberação do médico.

Entre os exames que foram citados, destaco o NIPT :

 Rastreamento genético durante a gestação

O rastreamento não invasivo para trissomias fetais (NIPT),  utiliza a tecnologia de sequenciamento massivo paralelo para avaliar o risco de aneuploidias, como a síndrome de Down, podendo ser feito em amostras de sangue materno coletadas a partir de dez semanas de gestação.  O processamento do teste, que antes dependia de parceiros, agora ocorre dentro do Fleury, com custo mais baixo e resultado liberado em prazo menor (até sete dias úteis), além da disponibilidade da equipe médica para discussão.

Na prática, o NIPT detecta aneuploidias, comparando a quantidade de material cromossômico contra um conjunto de referências de cromossomos. As aneuploidias dos cromossomos sexuais também podem ser identificadas (45,X, 47,XXX, 47,XXY e 47,XYY).

Contudo, convém lembrar que o NIPT faz um rastreamento, não um diagnóstico, o que deve ser minuciosamente esclarecido para a paciente durante o aconselhamento genético no pré-natal. E um teste de rastreamento coloca a paciente num grupo de baixo ou alto risco para trissomias, mas não confirma nem exclui o diagnóstico.

O teste é indicado somente para casos de:

• Idade materna acima de 35 anos

• Alterações ultrassonográficas associadas a trissomias

• Filho anterior acometido por trissomia

• Pais com translocação robertsoniana balanceada, com risco aumentado de trissomia 21 ou 13

Não há contraindicação para a realização do NIPT, mas apenas situações em que os procedimentos invasivos clássicos seriam preferenciais em relação ao teste.

 

 

Deixe uma resposta