Podemos conviver com um autista e não saber identificar

O filósofo, psicanalista e especialista em estudos da mente humana explica o que é autismo e o seu tratamento

Procuramos o filósofo, psicanalista e pesquisador Fabiano de Abreu para nos contar mais sobre o autismo pois, como membro da Mensa e especialista em estudos da mente humana, já deparou-se e estudou diversos casos de autismo e sabe como identificá-los.

“O número de autistas é bem maior do que podemos imaginar, inclusive, quem está lendo este artigo pode conhecer algum e não saber. Um autista é uma pessoa com transtornos no desenvolvimento do cérebro, mais conhecido como TEA (Transtornos de Espectro Autista). Levando em consideração que no grau evolutivo ninguém é igual a ninguém então, o autista pode não ser tão diferente assim de uma pessoa que se diga normal já que não há um padrão normal. O grau de autismo varia e pode ser difícil a sua identificação algumas vezes.”

Abreu diz que se deve identificar a diferença entre os diferentes graus de autismo e as suas nuances específicas. O desconhecimento e as más informações podem dificultar na ajuda. Ou seja, sem elementos fiáveis muitas vezes pensamos estar a ajudar mas estamos a fazer precisamente o contrário.

“Li um artigo  num grande site de notícias que dizia que a ativista Gretta Thunberg era muito inteligente já que tinha a Síndrome de Asperger e geralmente pessoas com essa síndrome são inteligentes. Isso é uma informação falsa e induziu muitos leitores ao erro. Pessoas com esta síndrome podem ter um tipo de inteligência bastante acentuada mas focal. E a sua cognição, que está ligada à inteligência, tende a não ser tão desenvolvida. Por outras palavras, ela pode ter um tipo de inteligência desenvolvida mas não terá a capacidade total, faltará a versatilidade, flexibilidade, abstrações e etc.”

Abreu diz que podemos fazer sobressair o melhor do autista para que seja um bom profissional.

“Devemos observar as crianças e os seus comportamentos, eu sempre digo que temos que ver o lado bom de tudo na vida. Uma criança autista pode ter habilidades únicas e se o ajudarmos a desenvolvê-las, podem tornar-se grandes profissionais. Sinais como falta de interesse em se relacionar com pessoas, ausência do contato visual a que chamo de desfoque, atenção exagerada a objetos, ou incomodo com toque, sons e textura de alimentos são os traços mais comuns. No entanto tudo depende do grau de autismo que pode ser avaliado como leve, médio e grave.”

O psicanalista diz qual o tratamento caso seja constatado autismo.

“Não há remédio para o autismo, portanto, se faz necessário uma terapia e geralmente em grupo para estimular a socialização. É bom que o autista seja acompanhado desde cedo para que possa ter uma vida normal quando adulto, principalmente ao nível profissional. Trabalham-se as relações afetivas, atividades motoras, aprimora-se a comunicação e o incentivo a realizar atividades diferentes.  Muitas vezes os pais não conseguem ensinar devido à questão emocional que naturalmente interfere. Tudo deve ser feito de acordo com o tipo de autismo e o grau que ele representa para que o mesmo possa ter uma vida funcional e laboral satisfatória. Que trabalhe desde cedo a conquista de autonomia e independência “.

Fabiano de Abreu é membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra conseguindo alcançar o maior QI registrado com 99 de percentil o que equivale em numeral a um QI acima de 180. Especialista em estudos da mente humana, é membro e sócio da CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede em Portugal e unidades no Brasil e na Holanda.

Deixe uma resposta