Sete a cada dez crianças brasileiras têm o próprio celular antes dos 10 anos

Quando devo dar um celular ao meu filho? Alguns especialistas indicam que a idade ideal para que a criança ganhe um celular é entre 9 e 10 anos, enquanto que outros afirmam categoricamente que somente a partir dos 13 anos é que elas deveriam ter seu primeiro celular. 

De qualquer forma o monitoramento, exemplo e diálogo são essenciais para estimular na criança um bom uso do aparelho.

Pesquisa realizada pela Kaspersky no Brasil mostra que 49% das crianças brasileiras usam um dispositivo inteligente pela primeira vez antes dos 6 anos de idade e, ainda, que 73% delas ganham seu primeiro smartphone ou tablet antes de completar 10 anos. Segundo os pais participantes, seus filhos usam os dispositivos principalmente para se divertir (69% – omaior índice em toda América Latina). Em seguida, estão a educação (33%) e se comunicar com outras pessoas (9%). 

Sobre o tempo de uso, a pesquisa mostra que 15% dos menores na região passam mais de quatro horas conectados à internet, sendo os argentinos (24%) lideres neste quesito. Em seguida aparecem os chilenos (21%) e brasileiros (18%). Mais atrás estão colombianos (12%), peruanos (7%) e mexicanos (7%). 

De acordo com os pais entrevistados no Brasil, o que as crianças mais compartilham publicamente são: hobbies ou atividades favoritas (67%), dados pessoais de amigos e parentes (10%) e fotos da casa (16%). 

É inevitável reconhecer que a tecnologia, em constante aperfeiçoando, já revolucionou e ainda revolucionará muito mais a busca por informações, as relações pessoais e profissionais e a comunicação como um todo.  E as crianças e adolescentes também não ficaram isentas a toda essa revolução: muito pelo contrário, tendem a aprender cada vez mais cedo sobre as funções da tecnologia – especialmente através de celulares – e, consequentemente, a desejá-las no seu dia a dia.

Mas, será que é possível falar em uma idade determinante: 7, 8, 10, 12 anos? Ou a resposta pode variar de acordo com as particularidades de cada criança/adolescente?

Acredito que o problema não é a tecnologia. Ela não é boa, nem má. O problema é a internet se tornar o único ambiente a partir do qual se vê o mundo. Moderação, equilíbrio e monitoramento são fundamentais.

Ou seja, não há uma idade fixa, pré-definida. Depende mais da maturidade da criança. Os pais devem observar se a criança tem o discernimento necessário para usar esses dispositivos com progressiva autonomia, assim como para lidar com os problemas que eles podem trazer acoplados, como, por exemplo, o volume de mensagens em grupos de WhatsApp, o acesso a conteúdos que podem não ser próprios para a idade, mas que não temos o controle de envio/recebimento, o controle de saber quando usar e quando desligar (por exemplo, durante a aula).

Antes de escolher um celular para criança, pense se o seu filho realmente precisa!

Filhos que já vão para a escola sozinhos, ou que passam muito tempo em casa sem os pais, são crianças que muitas vezes podem precisar de um celular até para emergências. Essa não é uma regra, mas as características acima podem indicar que você já precisa de um celular para criança, seja para que você consiga falar com ele com mais facilidade, seja para que ele desenvolva atitudes ainda mais responsáveis.

Além de todas estas questões, entra em cena também o fator financeiro. É interessante que o aparelho possua um plano pré-pago, para que desta forma ninguém gaste mais do que se deve e para que você consiga controlar melhor o uso. Além disso, o indicado é que o primeiro celular da criança seja um celular básico. É importante que a criança entenda o aparelho como meio de comunicação e não como meio de distração.

A conta pode ser paga com a mesada. Assim você não só o estimula a controlar as chamadas, como o ajuda a administrar, desde cedo, seus próprios gastos. E estipule uma cota mensal de gastos. Até os 10 anos, cerca de 20 reais são suficientes. Dos 10 aos 14 anos, podem-se acrescentar 10 reais a essa quantia e, a partir dos 14 anos, passar para 50 reais. Só não vale dar mais dinheiro se os créditos acabarem antes do prazo combinado.

Ensine que o número do telefone não pode ser dado a qualquer um. Apenas amigos e parentes devem ter acesso a essa informação. É uma questão de segurança.

Fique atenta! O celular pode prejudicar a saúde do seu filho. Dores na nuca, nos olhos e nos polegares, assim como desconfortos musculares, podem ser sinais de excesso de uso dos aparelhos.

Por tudo isso, vale refletir bastante antes de entregar um celular a uma criança antes dos 12 anos de idade. Isso não significa que crianças de 6 ou 7 anos não tenham grandes competências tecnológicas e que não possam usá-las em atividades de lazer ou de aprendizagem, em casa ou na escola. Mas para ter o próprio aparelho eletrônico, com conexão à web e autonomia de uso, é necessário ter a suficiente maturidade intelectual e emocional.



Deixe uma resposta