Temporada teatro infantil, com o coletivo O Bonde

Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus, do coletivo O Bonde, traz a jornada de Abou, menino encontrado em uma mala de viagem, atravessando ilegalmente a fronteira entre Marrocos e Espanha 

A partir do dia 19 de março de 2022, o coletivo O Bonde retorna ao Sesc Belenzinho com a temporada de Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus. O espetáculo infantil fica em cartaz aos sábados e domingos, às 12h, até 10 de abril.  

Com base no texto da dramaturga negra Maria Shu, e inspirado nos griots – contadores de histórias africanos-, o grupo retrata, com delicadeza e poesia, o desamparo que muitas crianças enfrentam nos processos migratórios, a partir da história de Abou, menino africano encontrado dentro de uma mala, ao tentar entrar no continente europeu. Ao som de tambores e violão tocados ao vivo, quatro atores-narradores contam a história deste refugiado que, com sua mala Ilê – companheira, abrigo e animal de estimação – enfrentou dificuldades com criatividade, imaginação e coragem. 

Com direção de Ícaro Rodrigues, o coletivo visa, com esse espetáculo, lançar luz a narrativas que dão o devido protagonismo a personagens negros, especialmente no universo infantil. “Nós temos poucos personagens de desenhos animados e de videogames que são negros e não estão associados a uma imagem criminosa. É um processo maior do que o próprio teatro infantil, isso nos motivou a montar esse texto para conversarmos com as crianças negras e trazermos a imagem e os costumes do povo preto“, declarou o diretor, na ocasião da estreia em 2019.  

O espetáculo – que teve sua estreia no Sesc Belenzinho em 2019 e marcou o nascimento do coletivo O Bonde – é baseado em fatos verídicos, a partir da história de Adou Ouattara, garoto com então 8 anos, da Costa do Marfim, encontrado em uma mala na alfândega de Ceuta, cidade autônoma da Espanha no Marrocos, em 2015, numa tentativa de acessar o país europeu como refugiado.  

SOBRE O BONDE 

O Bonde é um coletivo de teatro formado por artistas negros, oriundos da Escola Livre de Teatro de Santo André. Tem como pesquisa de linguagem o teatro negro e suas diásporas contemporâneas que reverberam materialidades invisibilizadas, não vistas no fazer teatral. 

É formado por Ailton Barros, Filipe Celestino, Jhonny Salaberg e Marina Esteves, atores e bailarinos que investigam o corpo negro periférico e trabalham a construção de um imaginário antirracista a partir de diversas formas de representatividade. Em 2018 foi contemplado pela 8° edição do Prêmio Zé Renato com a montagem do espetáculo infantil Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus.  Em 2020 foi novamente contemplado pela 11ª edição do prêmio Zé Renato de Teatro com a montagem da peça-filme Desfazenda – Me enterrem fora desse lugar com texto de Lucas Moura, direção de Roberta Estrela D’alva e direção musical de Dani Nega, com estreia virtual em 2021. 

FICHA TÉCNICA

 

Texto | Maria Shu
Direção | Ícaro Rodrigues
Elenco | Ailton Barros, Filipe Celestino, Jhonny Salaberg e Marina Esteves
Instrumentistas | Ana Paula Marcelino e Anderson Sales
Direção musical e Trilha sonora | Cristiano Gouveia
Preparação vocal | Renata Éssis
Preparação corporal | Mariane Oliveira
Cenografia e Figurino | Eliseu Weide
Assistência de cenografia e figurino | Carolina Emídio
Criação e operação de luz | Kenny Rogers
Foto e vídeo | Tide Gugliano
designer gráfico | Murilo Thaveira
ilustrações | Renoir Santos e Murilo Thaveira

Produção executiva | Janaína Grasso
Produção geral | O Bonde

 


PROTOCOLOS DE SEGURANÇA PARA ACESSO E PERMANÊNCIA NA UNIDADE
 

Máscaras
Permanece obrigatório o uso de máscaras para todos os públicos, cobrindo adequadamente boca e nariz.

Apresentação do comprovante de vacina – adultos e crianças
Em todas as unidades do Sesc no estado de São Paulo é necessário apresentar o comprovante de vacinação contra a Covid-19. Desde 1⁰ de dezembro, o acesso às unidades passa a ser realizado mediante comprovação de duas doses da vacina ou da dose única (público acima de 12 anos), e um documento oficial com foto. Desde 08 de fevereiro, crianças de 5 a 11 anos também devem apresentar o comprovante, evidenciando uma dose (conforme calendário do município). 

O público pode apresentar o comprovante físico, recebido no ato da vacinação, ou o comprovante digital, disponibilizado pelas plataformas VaciVida e Conecte SUS, ou pelo aplicativo e-saúdeSP.

SERVIÇO
QUANDO EU MORRER, VOU CONTAR TUDO A DEUS
Com O Bonde
De 19 de março a 10 de abril de 2022. Sábados e domingos, 12h
Local: Teatro (374 lugares)
Acesso somente com uso de máscara (todos) e apresentação do comprovante de vacinação: público acima de 12 anos – esquema vacinal completo e crianças de 5 a 11 anos – uma dose, conforme calendário municipal
Ingressos: R$ 24,00 (inteira); R$12,00 (meia entrada/ Credencial Plena do Sesc). Grátis com retirada de ingressos (crianças até 12 anos).
Venda online em sescsp.org.br/belenzinho. Venda presencial, nas bilheterias de todas as unidades da rede Sesc
Recomendação etária: livre
Duração: 60 minutos


Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
sescsp.org.br/belenzinho 


Estacionamento (acesso somente pela Rua Álvaro Ramos, 915)
De terça a sábado, das 9h às 21h. Domingos e feriados, das 9h às 18h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

Deixe um comentário