Tentantes: casais que desejam engravidar

Com medo da pandemia, muitos casais podem ter adiado o sonho de se tornarem pais. Ao retomarem a rotina, pouco a pouco, eles começam a se preparar para tentar uma gravidez e surge a dúvida: o que muda neste processo, diante da realidade do coronavírus?

ão chamados carinhosamente de ‘Tentantes’ aqueles casais que estão se preparando para ter filhos. A mulher que engravidará deve passar por um período preparatório especial, que envolve uma série de exames físicos e laboratoriais, suplementação vitamínica e orientação quanto à prática de atividade física, alimentação adequada e mudança de hábitos e estilo de vida que ajudarão não apenas nos meses em que ela gestará, mas também na saúde do bebê.

O pai da criança, no caso de se tratar de um casal heterossexual, também deverá passar por exames e receber suplementação vitamínica, além de receber as mesmas orientações sobre mudança de hábitos e estilo de vida. “O ideal seria que o pai estivesse com peso adequado, exames de glicemia e colesterol dentro da normalidade, suspendesse o uso do cigarro, drogas e álcool e praticasse bons hábitos, como atividade física constante e alimentação balanceada. Tudo isso porque, como se sabe, 50% da genética do filho vem do seu pai – e estando ele com o organismo em desequilíbrio, interferirá geneticamente no bebê”, explica a Dra. Mariana Rosario, ginecologista, obstetra e mastologista, que já foi responsável por ajudar a trazer mais de 5 mil crianças ao mundo.

Ela também fala que o metilfolato, suplemento tão importante para que as crianças não tenham problemas de desenvolvimento relacionados ao tubo neural e que é indicado às mulheres com pelo menos 30 dias antes de engravidar até o terceiro mês de gestação (conforme a Organização Mundial da Saúde – OMS, mas podendo variar segundo indicação de cada obstetra), deve ser administrado também aos pais. “Mais uma vez, eles são responsáveis por metade da carga genética do bebê e, portanto, devem ser suplementados”, diz.

O preparo da mãe Tentante

A mãe Tentante precisa passar por consulta de seis a 12 meses antes de engravidar. Isso porque ela precisa verificar vive situações como obesidade, Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), resistência à insulina, diabetes, hipertensão arterial, Síndrome Metabólica, Endometriose e outras condições que precisam ser tratadas antes das tentativas. “Todas essas condições físicas e patologias dificultam a concepção e devem ser tratadas previamente”, comenta a médica.

Quem apresentou abortos espontâneos também precisa ficar atenta à trombofilia e outras questões que são ligadas à perda do bebê. “Nesses casos, precisamos investigar o que causou os abortos, antes que o casal tente e haja novamente o problema de saúde”, elucida a Dra. Mariana.

A médica pede uma série de exames e, com tudo em dia, inicia-se a suplementação, que inclui outros elementos, além do metilfolato. Cada mulher tem uma necessidade diferente, que inclui os ômegas 3 e 6, vitaminas D, Ferro, Magnésio e Iodo, por exemplo. Elas também podem precisar de vitaminas C, A e do Complexo B, cabendo ao obstetra avaliar caso a caso. Também é solicitado que a Tentante tome todas as vacinas, colocando sua carteira de vacinação em dia. “Há doenças potencialmente perigosas para as gestantes e elas são evitáveis com as vacinas. Porém, algumas vacinas não podem ser tomadas depois da concepção, apenas antes dela”.

Apenas após tudo estar controlado e a mulher estar com a saúde plena é que a tentativa real está liberada. “Pode parecer exagero, mas as mulheres precisam estar com uma boa saúde para terem uma gestação livre de diabetes, hipertensão arterial (que pode levar à pré-eclâmpsia), trombofilia e outras doenças que podem levar ao aborto ou causarem doenças graves nelas e em seus bebês. Quanto mais prevenimos, mais tranquila e bonita é a gravidez”, garante a médica.

O preparo em tempos de coronavírus

E quem deseja tentar engravidar em tempos de coronavírus, o que deve saber? A Dra. Mariana Rosario diz que, mais do que nunca, é preciso que as mulheres tenham plena consciência da importância da saúde preventiva, ainda mais quando se quer engravidar. “É de conhecimento público de que a Covid-19 pode ser devastadora em pessoas com diabetes e obesas. Por isso, antes de engravidar, as mulheres precisam estar dentro do peso ideal e com a glicemia controlada. Isso se faz fundamental, diante da pandemia. É preciso que elas estejam um pouco mais protegidas, caso sejam contaminadas pelo vírus quando estiverem gestando”, diz a médica.

Em relação à suplementação, ela diz que as vitaminas C e D devem ser adotadas. “Mantemos todas as outras normalmente e intensificamos a adoção destas. E, em relação a exames e pré-natal, nada muda”.

As Tentantes devem tomar cuidados redobrados, em se tratando da exposição cotidiana. “Como ainda não há estudos conclusivos sobre o efeito do coronavírus em gestantes e fetos, é preciso que as futuras mães protejam-se, usando máscaras o tempo todo e prestando muita atenção à higiene, com a lavagem constante das mãos e uso de álcool 70º. Também é fundamental que evitem aglomerações, porque não sabemos se a Covid-19 pode causar aborto”.

Ainda que uma possível vacina seja disponibilizada nos próximos meses, não é possível ter certeza de que ela poderá ser administrada em gestantes. “Os medicamentos quase nunca são testados neste grupo de pessoas e, por isso, a maioria deles é contraindicada. Então, mesmo que haja uma vacina logo, não podemos garantir que as grávidas poderão recebê-la. Em relação às Tentantes, elas provavelmente estarão no grupo apto a receber a vacina”, pondera a médica.

Deixe uma resposta