Tombos e Sustos

image Ser mãe de menino é passar por alguns sustos. Claro que existem algumas meninas bem bagunceiras rs, mas acho que na maioria das vezes é o menino que se joga mais, pula, quer ser super-herói, enfim, haja coração (rs).

Eu já passei três grandes sustos com o Pedrinho, o último foi nesse Domingo. Ele subiu no banco do parque e antes que desse tempo de eu fazer qualquer coisa ele já estava no chão sem ar e eu desesperada. O que se faz nessas horas? Além de tentar manter a calma, hein?! É disso que vamos falar!

Conversei com a Daniele Salvaia (fisioterapeuta), que contou alguns sustos também: “- Meu filho Leonardo é uma criança cheia de energia, desde pequeno adorava experimentar novas aventuras…e novos sabores… com um ano e meio engoliu uma pedrinha do jardim. Foi um susto enorme, e resolvi fazer a técnica de bater nas costas, mas não obtive resultado. Fui ao pronto socorro, e no raio x mostrou que a pedra estava no caminho certo para ser eliminada pelas fezes… image
Este foi o primeiro grande susto de alguns outros, mas para ser breve, vou para o último, que aconteceu a um mês atrás. Leonardo estava na escola na aula de educação física, e durante um jogo, tropeçou no próprio pé e bateu com a testa no chão. De praxe foi a enfermaria colocar gelo no local. Passado alguns minutos, Leo relatava à professora que não estava enxergando mais, começou a perder os sentidos, vômito e sonolência. Levei ao pronto socorro as pressas e foi constatado que os sintomas se referiam a um traumatismo craniano. Graças a Deus o susto foi muito maior que as complicações. Realizou exame de raio x e tomografia computadorizada, e não havia dano cerebral. Importante saber que quando as crianças batem com a cabeça no chão com grande intensidade, existe um movimento cerebral que chamamos de chicote. No caso do Leonardo, segundo neurologista, o cérebro neste movimento, comprimiu os nervos ópticos, e desestabilizou por algumas horas o sistema neuronal, daí a perda dos sentidos, a sonolência e o vômito, mas isto é revertido com uma medicação adequada para pressão intracraniana e algumas horas de paciência e orações. Observar por 48 horas após a queda é importante, qualquer alteração, procurar um pronto atendimento”.

Mas, umas perguntas sempre rondam a nossa cabeça:

1- É verdade que não devo deixar a criança dormir depois da queda?
A vantagem de manter a criança acordada depois da queda é que fica mais fácil observar seu comportamento. Não é o fato de ela dormir que vai agravar a lesão, se houver uma. A questão é que um dos sintomas de que há problemas mais sérios em consequência de uma queda é justamente não conseguir acordar a criança. Daí a impressão de que o sono é o culpado. O que os médicos recomendam é procurar observar bem a criança. Caso o acidente tenha acontecido perto da hora de dormir, procure manter seu filho acordado por cerca de uma hora após a queda. ( fonte: BabyCenter)

2- E no caso de desmaio?
Se a criança desmaiar. Caso você ache que ela não está respirando, grite por ajuda e faça manobras de ressuscitação imediatamente. Se você estiver sozinha com a criança, primeiro faça a ressuscitação nela por dois minutos e só depois telefone pedindo ajuda.

3- Como devo cuidar do “galo”?
É normal surgir um galo bem grande em batidas na cabeça. Tente não se assustar, pois o galo é mais feio do que grave. Compressa com gelo envolto em um pano ajuda o inchaço a diminuir, mas não é imprescindível — às vezes a criança pode se assustar e gritar mais ainda, o que só vai piorar a situação de vocês dois. Se a criança parecer estar com dor, você pode perguntar ao pediatra sobre a possibilidade de dar algum analgésico, como o paracetamol, na dose indicada.

( fonte: BabyCenter)

Bom mamães , ainda bem que o anjinho da guarda dos nossos bebês é forte!! 🙂
Você já passou por algum susto? Quero saber !! Bjins

Deixe uma resposta