Você sabe qual a diferença entre urticária e alergia?

Cerca de 20% da população apresenta um episódio de urticária em algum momento da vida. Embora seja mais associada a adolescentes e adultos, ela pode se manifestar nos pequenos que ainda não completaram dois anos de idade.

Fruto de reação alérgica, a enfermidade tem sintomas bem visíveis: vergões vermelhos, salientes e ovalados aparecem de uma hora para outra na pele do bebê e ele começa a se coçar. Dependendo do tempo até ser iniciado um tratamento medicamentoso, as marcas podem sumir e reaparecer em outra área do corpo.

Entre as crianças, quase metade dos casos de urticária são de origem infecciosa. Os outros tipos mais comuns entre esse público são os causados por medicamentos e por alimentos.

O Dr. Luís Felipe Ensina, Coordenador do Deptº. Científico de Urticária da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), responde dúvidas que chegam ao consultório.

O que é urticária?

A urticária se manifesta com lesões (empolações) avermelhadas na pele, que coçam muito e incomodam bastante. Podem ter tamanhos diferentes e se juntar formando placas, que duram até 24 horas, e quando somem, não deixam marcas ou cicatrizes. As mesmas lesões podem reaparecer em seguida, em outras partes do corpo.

Em algumas pessoas, a urticária pode vir acompanhada de angioedema (inchaço). O angioedema pode ocorrer em qualquer parte do corpo sendo mais comum nas pálpebras e lábios. Na maior parte das vezes, não coça e pode ser acompanhado de dor ou queimação. Além disso, desaparece mais lentamente.
Quais os tipos de urticárias?

Existem dois tipos, são eles:

Aguda – que dura menos tempo, no máximo seis semanas. É a mais frequente e ocorre principalmente nas crianças e adultos jovens. Nas urticárias agudas pode haver um mecanismo alérgico, como camarão ou medicamentos.

Crônica – com duração igual ou superior a seis semanas. Atinge mais mulheres entre 25 a 45 anos de idade.

A urticária crônica, por sua vez, pode ser dividida em 2 subtipos:

Urticária crônica espontânea: que é a mais frequente e as lesões surgem sem que se encontre qualquer fator externo responsável.

Urticária crônica induzida: em que as lesões são desencadeadas por fatores externos específicos (exemplo frio, calor), identificados pela história clínica e testes de provocação.

 

Toda urticária é alergia?

A urticária pode ser a manifestação de uma alergia. Por exemplo, um indivíduo que ingere camarão e desenvolve urticária pelo mecanismo alérgico. O sistema imunológico reconhece a proteína do camarão como algo estranho, e acaba resultando na manifestação clínica que é a urticária.

 

E no caso de urticária crônica espontânea (UCE)?

No caso da UCE, na maioria das vezes, não existe o mecanismo alérgico citado acima, ou seja, não advém de algo de fora, como a ingestão de um alimento, por exemplo. O que acontece é uma reação do sistema imunológico contra alguma proteína do próprio corpo. Essa reação pode ter dois tipos de mecanismos, sendo que um deles é como se fosse uma reação alérgica. Portanto, nas UCEs a autoimunidade é que está em questão.

 

Serviço
Twitter: @asbai_alergia
Facebook: Asbai Alergia
www.asbai.org.br

Deixe uma resposta